Sociedade estupradora

Sim, nossa sociedade é doente, não é de hoje. É esta sociedade que elege corruptos e depois vai às ruas bradar contra a corrupção; esta sociedade que diz abominar a violência, mas culpa a mulher por ser violentada, seja sexualmente, seja em seus direitos à privacidade; esta sociedade que fala contra "fake news", mas compartilha qualquer informação sem checar sua veracidade.

Há jornalista que se tornaram "youtubers", mas nem todos "youtubers" são jornalistas. Porque jornalista de verdade não espalha fofocas sobre a vida alheia; jornalista que honra sua profissção, checa as informações com mais de uma fonte e avalia quais são de fato noticias a serem tornadas públicas e quais devem ser coloadas de lado, por ferirem o direito a privacidade dos cidadãos. Jornalista de verdade sabe que nem tudo é notícia e não explora a dor alheia.

Nas últimas semana tivemos uma enxurrada de notícias, notadamente sobre violência contra mulheres e crianças, onde estas vítimas sofreram ainda mais violências e estupros, seja de médicos e enfermeiras, seja de pseudo jornalistas - mais preocupados com "likes" e "seguidores" - seja de juizes, de correntes religiosas (não estou generalizando), enfim, de representantes desta sociedade psicótica.

De uma menina, foi-lhe negado o direito de abortar, mesmo sendo vítima de estupro; de outra menina - mesmo com 21 anos, ainda uma menina - ainda mais violência, julgando-a precipitadamente, sem qualquer conhecimento sobre sua história de sofrimento, que a bem da verdade, dizia respeito somente a ela, jamais devendo se tornar pública, ainda mais em tom de criticas por suas decisões, exclusivamente dela.

Sociedade hipócrita, sempre disposta a apontar o dedo ao outro e criticá-lo, sem fazer o "mea culpa", sem olhar para si mesmo e ver o quão perversa é.

Pedir desculpas, depois de agir com má fé, olhando apenas para o limitado universo de seu umbigo, na busca por fama efêmera, em nada resolve. São tão crueis e violentos, tão estupradores, quanto aqueles que praticaram os atos abomináveis contra suas vítimas indefesas.

Não citarei o nome das vítimas, para não perpetuar os atos de violência contra elas; desejava citar os nomes dos agressores - TODOS - mas apenas atrairia mais ódio e ranges de dentes.

Minha absoluta solidariedade às vítimas, meu total repúdio aos violentadores de plantão.

"Se as feridas do teu próximo não lhe causam dor, a sua doença é pior do que a dele" (DA).

Silvio Luiz Belbute
Jornalista e sociólogo
MTb 0018790/RS