Carinho, afeto e atenção

O conceito de “gentileza gera gentileza” é tão verdadeiro e poderoso quanto seu oposto “violência gera violência”.

Ser gentil é uma característica da personalidade, mas também uma qualidade a ser aprendida e principalmente ensinada, desde cedo.

Carinho e afeto podem e devem ser praticados com todos, aos nossos amores românticos, mas também aos nossos outros amores: filhos, mães, pais, amigos, colegas, animais.

Afetividade nos permite demonstrar nossos sentimentos ao outro, mesmo sem características sexuais. Afetividade é uma demonstração mais profunda de amizade, alegrando tanto o coração de quem a pratica, quando os corações de quem a recebe.

Afetividade é doação, é uma forma especial de carinho, seja através de um toque – como num abraço ou beijo (eu beijo meus amigos) – seja com palavras e mesmo com apena um olhar, um sorriso.



Neste momento da história, quando os ânimos estão acirrados, com tanta falta de empatia, de generosidade, pessoas agredindo-se por razões tão pequenas e insignificantes no contexto de uma vida, torna-se imprescindível desarmar nossos espíritos e resgatarmos a prática do afeto.

Em nada nos diminui diante do outro, ao contrário, eleva nossos espíritos e nos traz uma enorme sensação de bem estar.

Dedicar um pouco do nosso tempo para transmitir uma palavra de carinho, seja com um singelo “bom dia”, seja para ouvirmos o desabafo daqueles angustiados pelas circunstâncias do dia-a-dia, é um tempo ganho, jamais gasto.

Nem sempre estamos num bom dia, nem sempre estamos numa boa semana, num momento positivo em nossa vida. Mas tudo é passageiro e fugaz, por maior e grave que nos possa parecer naquele instante. E receber um “oi, bom dia”, tem o poder de muitas vezes dissipar as nuvens cinzas de nosso horizonte próximo. Um “vai dar tudo certo”, dito com a convicção de quem anteviu o futuro, transforma o dia daquele que ouve e empresta-lhe o poder de, de fato, mudar seu ânimo, empurrando-o para as soluções.

Tudo em nossas vidas e a nossa própria vida, é energia. E energia não é nem boa, nem ruim. Depende muito de como a utilizamos. A energia do amor é tão poderosa quanto a do ódio. A eletricidade pode gerar luz, como também pode nos dar violento choque. É tudo questão de saber usar e direcionar. E toda energia se transmuta o tempo todo. Então, está em nós, a capacidade de transmutar as energias ao nosso redor e a quem as direcionamos.

Carinho, atenção e afeto são poderosos energias, a nos envolver em uma aura de positividade e envolvendo a quem dedicamos, a quem transmitimos.

Ceder o lugar na fila, abrir a porta para alguém, ceder o lugar em um coletivo, ajudar a carregar uma sacola ou mala...enfim, muitas formas há de demonstrarmos nossa generosidade. E não há aqui nada de piegas. Ser gentil não é ser “Poliana”. É uma prática capaz de mudar nosso dia e o dia de quem a recebe.

Quando entendermos o poder de “gentileza gera gentileza”; quando entendermos o poder de transformação do “carinho, atenção e afeto”, geraremos tanta energia positiva, que seremos capazes de soprar todas as nuvens da intolerância e violência das nossas vidas e das vidas daqueles que tocamos.

Pratique hoje. Comece dando um caloroso e afetuoso bom dia a alguém. Certamente, seu dia será muito melhor.

Silvio Luiz Belbute
Jornalista e sociólogo
MTb 0018790/RS