Xadrez Político II

Talvez até as eleições tenha que editar diversos “Xadrez Político”, dado que os fatos vão se somando e incrivelmente os principais atores, ou peças do tabuleiro, insistem na ignorância ou memória curta da população, com beneplácito da grande mídia tradicional.

Então restam as mídias alternativas, com outras abordagens, noticiais e informações que não são vistas nas demais. Nos links ao lado vocês poderão acessar estas mídias.

Mas vamos lá.

Então Paulo Octávio deixará o DEM, antes de ser expulso. Talvez ainda tenha tempo de renunciar e se candidatar a deputado. Resta saber qual sigla lhe dará apoio. Quem sabe o PT?

Sim, porque não. Afinal, agora vem o Borhausen dizer que “não darão apoio aos mensaleiros, como fez o PT”. E está certo, pois na Convenção do partido, reaparece em grande estilo Zé Dirceu, com direito a apoio declarado da pré-candidata Dilma.

E todas estas criaturas se utilizam do jargão jurídico quando lhes convém: “ninguém é culpado enquanto sentença não transitar em julgado”. Claro, isto serve para os casos dúbios, onde o que parece muitas vezes não é ou quando as provas ainda são insuficientes.

Mas alguém ainda tem dúvidas? Bom, é justamente nisto que apostam.

De quebra a Convenção do PT, no melhor estilo de democracia chavista, aprovou diretriz que permite intervenção nos diretórios municipais e estaduais, caso não sigam as orientações quanto às alianças e apoios. Não é uma beleza?!

Estas criaturas continuam e continuarão a jogar para si mesmas. O próprio presidente Lula, em matéria do Estadão, diz que não vê problemas em o discurso do candidato ser mais à esquerda, mesmo que quando governo não possa manter as promessas.

Nossa!!!! Não é o máximo!!!! Então tá, de agora em diante podemos prometer tudo que desejarmos, sem o menor compromisso em realizar. Isto já é um “cancro” político, um “cancro” social.

Então nos resta o quê? Torcer apenas? Não, temos que ser pró-ativos, nos envolvermos de fato e assumirmos a responsabilidade de nosso voto, por enquanto nossa única arma.Temos que falar disto nas rodas de amigos, comentar nas filas de banco e do supermercado, para que os demais também se “antenem” e percebam o que está acontecendo.

Temos que sair de nosso estado de letargia, sentarmos à mesa e também jogarmos o jogo, influirmos nas regras e movimentarmos as peças.

Meu pai ensinava: “diga-me com quem andas que te direi quem és”. Ora, se andar com marginais, serei eu um santo?

Collor foi massacrado pelo PT. Sarney foi xingado por Lula. Renan Calheiros era braço forte de Collor, chefe da “tropa de choque”. E como está o cenário hoje? Collor apóia Lula. Sarney apóia Lula. Renan Calheiros apóia a todos. Não é estranho?

Apenas como exercício, vamos imaginar que daqui uns anos surja uma chapa no RS, com Stela Farias e Yeda Crúsius. Vocês acham que é possível? Não, certo. Então como é possível o que ocorre em nível nacional? Inimigos declarados de ontem, no mesmo palanque de hoje.

Isto não é política. É tudo, menos política.

Mas este é o jogo. Este é o “xadrez político”. É a isto que estamos submetidos. E se não fizermos a nossa parte como sociedade civil, seremos cúmplices.