Jornalista: diploma ou sem diploma, ó dúvida cruel!

A discussão sobre a exigência do diploma de jornalista para exercício da profissão está em pauta mais uma vez. Ter ou não ter, eis a questão!

Além da dúvida hamletiana, cabe refletir sobre outros pontos periféricos, que me parecem esclarecer ou pelo menos auxiliar na busca da solução para este dilema.

Começo por questionar: é exigido algum diploma ou título de qualquer natureza para que algum cidadão interessado escreva um livro? Há alguma prova de títulos para que algum cidadão resolva fazer um filme? E para ser representante dos cidadãos em um Conselho, ou Câmara Municipal, Assembléia Estadual, Congresso Nacional...e mesmo a presidência da República? E para ter um comércio, fundar uma indústria, além dos documentos de praxe exigidos pela buRRocracia estatal, também é preciso anexar algum diploma?

O avanço tecnológico permitiu a democratização e difusão da informação e do conhecimento, através de páginas pessoais, os chamados BLOGS. Todo mundo virou jornalista. Celular em punho, todo mundo virou “paparazzi”. Aconteceu, ta na Internet. Em tempo real, online, relâmpago. E algum provedor exigiu diploma para o usuário?

Em algumas empresas de comunicação, saindo pela tangente, sem ferir a lei ou os sentimentos sindicais, muitos “convidados” são “articulistas”, “comentaristas” ou “colunistas”.

Então poderá surgir outra questão: como confiar num blogueiro, como confiar nas informações publicadas sabe-se lá por quem, num blog qualquer? Já tenho a resposta: como confiar nas informações publicadas por alguém, apenas por que tem diploma? Ou as grandes empresas de comunicação do país (para não falar do mundo), não têm linha editorial? Acaso não pautam ou vetam matérias ao sabor dos ventos políticos, para não falar nos ventos econômicos?

Não é o título, a graduação, a pós-graduação, o doutorado, o pós-doutorado que confere a alguém capacidade de capturar e saber transmitir e difundir informação e ou conhecimento.

Mas como vivemos num “peis” cartorial, herança lusitana de nossa colonização, para tudo tem que haver um título, um carimbo.

Daqui a pouco algum deputado ou senador proporá alguma lei que obrigue os provedores de hospedagem de blogs exigirem diplomas aos seus usuários. Ainda bem que a blogosfera é universal e se tal lei emplacar aqui migramos para um provedor onde a lei não se aplica.

“Vivez la liberté d'information! Vivez l'Internet!”